Começou o Oliband 2012

Começou em março as Olimpíadas Internas do Colégio Bandeirantes, ou OliBand. O evento propõe competições interclasse, do 6º ano do ensino fundamental ao 3º do ensino médio, e faz com que os alunos participantes vivenciem as emoções e desafios de estar numa competição esportiva.

O campeonato é composto por equipes masculinas e femininas, divididas em modalidades. Os 6º anos jogam handball, os 7º, basquete, os 8º, vôlei e os 9º, futsal. Já a partir do primeiro ano do ensino médio é possível participar de qualquer modalidade.
O OliBand se formalizou a pouco tempo atrás, com os professores disponibilizando horários e propostas de jogos e sempre apoiando a autonomia dos alunos. Estes montam os times sem a interferência de tutores.

As competições começam em março e ocorrem até os últimos dias de aula, encerrando com o jogo final do futsal do 3º ano do ensino médio, considerado o ponto alto de todo o OliBand. Neste jogo, as torcidas se organizam e criam um verdadeiro clima de apoio aos times. É praticamente uma festa!

Caça Band 2012

Em um primeiro momento, a quantidade de salas, laboratórios e corredores do Band pode confundir quem entra no prédio pela primeira vez. Mas os alunos do 6º já começaram o ano letivo familiarizados com seu novo colégio. Na segunda-feira que antecedeu o início das aulas, o Caça Band uniu todas as turmas para brincar de conhecer o colégio em uma caça ao tesouro muito divertida.

Junto da Equipe de Educação Física, os alunos foram divididos em nove equipes e saíram pelo Band caçando pistas e conhecendo espaços como o LMD, Departamento Cultural, biblioteca, entre outros. Eles também conheceram melhor os bedéis, que ajudavam os times, e tiveram que completar tarefas tais como completar o nome da equipe de Orientação Educacional do colégio. Na quadra 1, os estudantes revezavam-se em estações de corrida do saco, futebol, voleibol e corda.

Todas as equipes correram muito para chegar primeiro lugar e encontrar os tesouros. Muito mais do que os brindes, o maior presente do Caça Band são amizades que começam na brincadeira.

Confira a galeria de imagens clicando aqui.

Bronze para o Brasil no Tênis de Mesa

Quando entrou no Colégio Bandeirantes no 6º ano, Gustavo Sawasaki Nakagome logo se interessou em entrar para o time de tênis de mesa. O menino, que começou a praticar a modalidade há pouco mais de três anos por diversão, “brincando de ping pong”, passou a treinar e levar o esporte mais a sério destacando-se em ligas escolares, amistosos e no Interband, campeonato inter-escolar organizado pelo Band.

No mês de outubro, Gustavo realizou um sonho de disputar um campeonato pela seleção brasileira de tênis de mesa. O jovem atleta viajou até a Guatemala, onde disputou partidas contra representantes da Argentina, Colômbia, México e República Dominicana.

“Foi um campeonato muito difícil, bem mais equilibrado do que os que eu disputei aqui no Brasil”, contou Gustavo.

O nervosismo da primeira competição internacional e o favoritismo de outros países não impediram que Gustavo subisse ao pódio e conquistasse o terceiro lugar na competição, enchendo de orgulho sua família, sua treinadora Emiko Takatatsu e toda a equipe de esportes do Band.

Basquete na veia

Mais uma semana agitada para os times de basquete do Band. Entre a quarta e a sexta-feira, os meninos e meninas dos times mirim e pré mirim participaram de uma clínica de basquete com ex-alunos do Band e atletas que jogam nos Estados Unidos. Divididos por grupos com nomes dos times da NBA, os esportistas puderam reforçar fundamentos do basquete e tiveram a oportunidade de jogar muito.

Depois desse treino especial, a turma participou da final da etapa regional do torneio 5×5, realizado pela NBA no dia 11 de junho. O time feminino terminou em quarto lugar, o masculino sub-15 ficou com a medalha de bronze e os meninos do sub-17 levaram a prata.

A final nacional, que acontece no próximo sábado, 18 de junho, contará com participação especial de um atleta bandeirantino. André Akinaga Benites, do 8° ano, que roubou a cena mostrando uma série de malabarismos com a bola de basquete e foi convidado a fazer uma apresentação de suas habilidades ao lado de Leandrinho, brasileiro que joga no Toronto Raptors.

O aluno, que se dedica há 3 anos ao treinamento de suas habilidades e inspira-se nos Harlem Globetrotters, não vê a hora de entrar em quadra. “É muito legal ser reconhecido por uma coisa que pouca gente faz no Brasil, e ainda vou conhecer o Lenadrinho, que é um ídolo”, comenta empolgado com a oportunidade. Com tantas oportunidades, os atletas ficam ainda mais entusiasmados para seguir jogando basquete.

NBA no Band

Enquanto Miami Heat e Dallas Mavericks preparam-se para a final dos playoffs do basquete americanos, os atletas do Band ficam divididos entre a televisão e a quadra, mas sempre pensando na NBA. Isso porque está ocorrendo o torneio 5×5 Brasil, campeonato que reúne escolas do Rio de Janeiro e de São Paulo e é organizado pela maior liga de basquete do mundo.

É a primeira vez que a NBA organiza este tipo de torneio no Brasil, e a ação tem como principal objetivo incentivar a prática do basquete no Brasil. E além de ter times participando de todas as categorias (sub-17 masculino, sub-15 masculino e feminino), o Band foi um dos colégios escolhidos para sediar rodadas do evento.

E os atletas não poderiam estar mais animados com a oportunidade. O técnico dos times masculinos, Paulo Godoi, destaca a dedicação e o bom desempenho das equipes. “Todos estão jogando muito bem, não é a toa que os três times classificaram na primeira colocação de seus grupos. Agora, é manter o desempenho na fase final”, afirma o professor. Nas quartas de final, tanto o time feminino quanto o masculino sub 17 enfrenta o colégio Termomecânica, enquanto a equipe masculina sub 15 encara o Santo Américo.

Para saber mais sobre o torneio 5×5 NBA Brasil, clique aqui.

Direto do país da NBA

“Elbows out”, “look at the basket”, “good job”. Os treinos de basquete mirim e pré-mirim tiveram um sotaque diferente por conta de uma visita especial nessa semana. Rafael Franco, ex-jogador da seleção brasileira de basquete e treinador nos Estados Unidos há 11 anos, aproveitou uma visita ao Brasil para dar dicas de bola aos meninos do Band.

Todas as instruções foram passadas em inglês, e entre um exercício e outro Rafael enfatizou a importância dos estudos para todas as carreiras, inclusive para os esportistas. “O basquete me proporcionou experiências incríveis, mas nunca deixei de me dedicar à escola e à faculdade”, afirmou o treinador, que saiu do Brasil para fazer faculdade nos Estados Unidos e obteve bolsa como atleta universitário.

As impressões sobre o treino não poderiam ser melhores. Rafael Franco elogiou o comprometimento dos meninos, que adoraram o convidado internacional. “É muito interessante porque eles têm uma outra visão do esporte”,comentou o aluno Omar Rached, ainda ofegante depois de ter dado tudo de si dentro de quadra.

Brincando de conhecer

Entrar numa nova escola é sempre um desafio para os alunos. Com tantas novidades e situações desconhecidas, é comum a sensação de deslocamento e insegurança nesse novo ambiente. Pensando nisso, a equipe de Educação Física do Bandeirantes desenvolveu uma atividade para integrar os novos alunos do sexto e do sétimo ano.

Na sexta-feira que antecedeu o reinício das aulas, as novas turmas vieram ao colégio para participar do Caça Band, uma caça ao tesouro que se espalha pelos laboratórios, quadras, cantina e outros ambientes muito frequentados pelos alunos.

Durante a brincadeira, os estudantes não apenas familiarizam-se com os espaços em que passarão boa parte do ano, mas também fazem os primeiros contatos com professores e bedéis e conhecem seus novos colegas de classe e futuros amigos. Quando as aulas começam, todo mundo já se sente parte do colégio.

“Valeu a pena participar, porque deu pra conhecer tudo brincando”, disse o aluno Nicolas Ruzon Birrer, do sexto ano, comprovando que não importa quem chega em primeiro lugar, pois todo mundo sai ganhando no Caça Band.

Veja as fotos do Caça Band aqui.

TIROS: para melhorar o condicionamento físico e ganhar velocidade

Lembretes:

  • Descanso de dois dias entre um treino de tiro e outro
  • O aquecimento é imprescindível
  • Sem exageros nos alongamentos anteriores ao treino, realize movimentos por 10 a 15 minutos. Opte por realizar sessões específicas de alongamento só nos dias que não irá praticar a corrida, assim você evitará lesões, pois a musculatura muito distendida e relaxada comprometerá a contração e realização de força necessária ao exercício. Além dos membros inferiores, alongue a musculatura superior principalmente dos ombros, devido a sua grande solicitação nos movimentos proprioceptivos. Nos dias de treinamento específicos para melhorar nas subidas, intensifique o alongamento das musculaturas dos glúteos e quadríceps.
  • Para evitar as dores lombares é muito importante fazer exercícios abdominais rotineiramente.
  • Não descuide da ingestão de líquidos antes, durante e depois da corrida.

Clique na imagem para ver a tabela em tamanho maior:

Legenda
Intensidade e freqüência cardíaca:
CA = CAMINHADA (55% a 60% FC Max.), sem esforço.
ML = MUITO LEVE (60% a 65%  FC Max.), respiração pouco ofegante, possível conversar.
LE = RITMO LEVE (65 a 75% FC Máx), respiração acelerada, conversa com poucas palavras para não perder o fôlego.
Mo = MODERADO (75 a 85% da FC Max.), ritmo pesado, mas confortável, respiração acelerada e conversa pausada.
(´) = duração do intervalo em minutos
i = INTERVALO
RC = RITMO CONFORTÁVEL

Ansiedade

oe

Na dica de saúde dessa semana, eu entrevistei as orientadoras educacionais do Colégio Bandeirantes Vera Malato e Lúcia Maiochi.

Daniela: O que é Ansiedade?

OE: A ansiedade é uma emoção comum a todas as pessoas. Sendo considerada também em muitos casos como um fator de proteção. Ter medo nos faz tomar alguns cuidados necessários para a sobrevivência. Quando muito intensa torna-se uma emoção negativa, patológica, interferindo na capacidade da pessoa pensar claramente, resolver problemas e obter satisfação.

Daniela: O medo de falhar, perder um campeonato, pode suscitar a ansiedade e afetar o desempenho atlético / acadêmico?

OE: Sim, interfere diretamente no desempenho. Com base no modelo cognitivo, nossas emoções e comportamentos são determinados pela forma como percebemos / interpretamos as situações. Pensamentos, idéias relacionadas ao medo de falhar ou perder, além de gerar a emoção ansiedade, poderá no caso de pessoas portadoras do transtorno de ansiedade superestimar a ameaça, o perigo e, por outro lado, subestimar os seus recursos internos de enfrentamento. Em paralelo reações biológicas e fisiológicas também são acionadas, como palpitações, excitação, tensão, respiração acelerada, tremor… interferindo negativamente no desempenho do atleta / aluno.

Daniela: A ansiedade afeta mais as pessoas inseguras?

OE: A insegurança aparece a partir da emoção ansiedade, interferindo diretamente no comportamento. Pessoas com transtorno de ansiedade buscam sentir-se mais segura, por meio de estratégias como preocupação excessiva, evitação, fuga, checagem e outros procedimentos. Esses comportamentos, em muitos casos, impedem a desconfirmação da interpretação dada à situação, da atribuição exagerada de ameaça ou perigo, e promovem a manutenção do quadro de ansiedade.

Daniela: Como podemos perceber que um aluno / atleta está muito ansioso? E o que podemos fazer para ajudá-lo?

OE: Diante de situações em que precisam demonstrar desempenho, pessoas portadoras do transtorno de ansiedade apresentam pensamentos que expressam dúvidas como “e se?” e “será?”. E também como já mencionados reações biológicas e fisiológicas e comportamentos de busca de segurança. Diante de qualquer um desses dados torna-se importante conversar com o aluno / atleta e ajudá-lo a perceber que diante da mesma situação podemos encontrar várias alternativas para lidar com ela,  aumentando seus recursos internos de enfrentamento, diminuindo o grau de ansiedade.

 Daniela: Quais são os tratamentos existentes para diminuir o grau de ansiedade?

OE: Dependendo do grau de ansiedade varia desde o tratamento psicoterápico ao medicamentoso e, em muitos casos, sendo necessário a junção dos dois.

Vera e Lúcia são orientadoras educacionais do Col. Bandeirantes e cuidam da comunidade bandeirantina com muito carinho.

Rumo aos 5 km

Olá pessoal, se vocês já estão praticando a planilha da caminhada, completam 6 km em uma hora e conseguem acelerar até a intensidade moderada, então chegou o momento de traçar um novo objetivo de fácil alcance. Como, por exemplo, trotar 2 km, caminhar 1 km e trotar 2 km novamente. Desta forma, você completará uma prova de rua de 5 km, o que é muito legal. Pois, várias pessoas estarão fazendo o mesmo que você, buscando evoluir na corrida e num clima muito festivo, gostoso de fazer parte.

Para não correr o risco de eventuais lesões, é muito indicado intercalar o treino de corrida com o de musculação e sempre alongar antes e depois da corrida.

Sugestão de treino para completar os 5 km (clique na imagem para ampliá-la):

5km

Legenda
Intensidade e freqüência cardíaca:
CA = CAMINHADA (55% a 60% FC Max.), sem esforço.
ML = MUITO LEVE (60% a 65%  FC Max.), respiração pouco ofegante, possível conversar.
LE = RITMO LEVE (65 a 75% FC Máx), respiração acelerada, conversa com poucas palavras para não perder o fôlego.
Mo = MODERADO (75 a 85% da FC Max.), ritmo pesado, mas confortável, respiração acelerada e conversa pausada.
(´) = duração do intervalo em minutos
i = INTERVALO
RC = RITMO CONFORTÁVEL

Bom treino e boa corrida!