InterBand em fotos…

Imagem

O InterBand acabou mas as lembranças e emoções vividas em cada vitória ou derrota podem ser vistas na Galeria de Fotos do InteBand 2012.

Foram quase 25 dias de jogos e muitas, muitas fotos foram tiradas em nossas quadras… Alunos do Band e de todas as outras escolas participantes viraram protagonistas…

Muitas vezes as imagens falam mais do que muitas palavras…

Acessem e vejam quanto sentimento há em cada uma das fotos…

http://galeria.colband.com.br/index.php/esportes/InterBand-2012

 

 

Brasil na semifinal da Olimpíada de Londres

Com uma vitória emocionante sobre a Rússia, o vôlei feminino do Brasil continua na luta pela medalha de ouro…

Continuamos na torcida por todo o voleibol brasileiro e por todos os atletas que ainda buscam medalhas!

Vejam o vídeo dos últimos pontos…

http://esportes.terra.com.br/jogos-olimpicos/londres-2012/videos/watch/brasil-elimina-russia-e-segue-em-busca-do-bi-431317

Sábado de voleibol e de medalha de ouro para o Band!

No último sábado, 26 de maio, ocorreu o Triangular de Voleibol Pré-mirim masculino que contou com a presença dos Colégios Eduardo Gomes e Dourado, além do Band.

Os jogos foram sempre disputados mas o Band venceu as duas partidas e ficou com a medalha de ouro!

Parabéns ao técnico Luiz e a todos os atletas!

Placar dos jogos:

Band 2 X 1 Eduardo Gomes

Eduardo Gomes 2 X 0 Dourado

Band 2 X 1 Dourado

 

O Band foi medalhista no Sabin!

A equipe de voleibol infantil masculino do Band ganhou a medalha de prata no Torneio do Colégio Albert Sabin. Vale ressaltar que participaram do grupo 4 atletas mais jovens da nossa equipe mirim.

A final foi muito disputada e os donos da casa venceram por 2 sets a 1.

Outras equipes do Band ainda vão participar do campeonato e as datas, horários e resultados podem ser acessadas pelo site http://www.albertsabin.com.br/www/emailmkt/XIV_festival_sabin_esportes_cultura_tabela.pdf

Parabéns atletas do Band pelo resultado excelente!

 

Esporte Solidário 2012

No dia 10 de maio de 2012 (5.a feira), das 19h às 21h, será realizado em nosso ginásio de esportes o “Esporte Solidário 2012”, evento que terá por finalidade a arrecadação de recursos para a ONG VIDAS e contará com a presença da equipe de futsal adulto masculino do Corinthians e a participação especial da equipe de patinação artística do Clube Ypê.

A ONG VIDAS (www.vidas.org.br) foi criada para proporcionar à criança e ao adolescente com deficiência física oportunidades de socialização e desenvolvimento por meio da prática de atividade física, esportiva e de lazer.

Como posso contribuir com a VIDAS no Esporte Solidário?

  • Doando 1 lata de leite em pó ou 1 pacote de fraldas descartáveis para adultos (tamanho P, M ou G);
  • Adquirindo número de RIFA de uma camisa de futsal autografada pelo Falcão, jogador da Seleção Brasileira e um dos melhores do mundo (falar com os professores de Educação Física).

Seja solidário. Traga sua doação. Ajude a ONG VIDAS.

O Band na República Dominicana

Nosso estagiário de Educação Física, Daniel Magalhães, esteve no início de março na República Dominicana atuando como árbitro no Campeonato Panamericano Júnior de Handebol.

Daniel é árbitro desde 2004  e em 2010 foi escolhido, juntamente com o seu parceiro de arbitragem, Adriano Rocha, para integrar o GRTP (Global Referee Trainning Program),  um projeto voltado para a preparação de jovens talentos da arbitragem de todo o mundo.

Principais competições arbitradas por Daniel:

  • Campeonato Brasileiro de Clubes
  • Campeonato Brasileiro de Seleções
  • Liga Nacional
  • 2010 – Campeonato Panamericano Juvenil em Balneário Camboriú
  • 2011 – Campeonato Panamericano Cadete em Mar del Plata
  • 2011 – Campeonato Mundial Feminino em São Paulo
  • 2011 – Amistosos internacionais da Seleção Brasileira
  • 2012 – Campeonato Panamericano Junior em Santo Domingo

Daniel cursa o último ano de Educação Física da Faculdade UniSant’anna e faz parte de seus planos profissionais  participar de uma Olimpíada… Vamos torcer… 2016 está chegando…

 

 

O Sílvio é unanimidade…

Entrevistei o Sílvio, assistentente do Departamento de Educação Física e Esporte. É ele quem nos ajuda o tempo todo: montando as redes de vôlei, cuidando das bolas, dos uniformes das equipes…  Ele está sempre disposto a ajudar. É uma unanimidade no Departamento.

 

Há quantos anos você trabalha no Colégio Bandeirantes?

Resposta: 22 anos

Qual o time do seu coração?

Resposta: Palmeiras

Qual o momento mais marcante que você viveu no Colégio Bandeirantes?

Resposta: A ajuda que recebi de todos os amigos do Departamento de Educação Física quando minha filha entrou na faculdade.

O que você acha do InterBand , evento no qual você trabalha como um “maluco”?

Resposta: Eu acho super-legal , principalmente porque a escola fica animada e o meu salário aumenta um pouco o que me ajuda na faculdade da minha filha.

Qual o esporte que você mais gosta?

Resposta: gosto muito de futsal.

O Sílvio é unamidade no Departamento. Vejam só alguns depoimentos:

Dutra: “o Sílvio sempre foi meu amigo desde os tempos de aluno…”

Camila (assistente técnica): “sem o Sílvio ficamos perdidos aqui na escola…”

Claudia Cris: “ter o Sílvio por perto é uma tranquilidade, pois ele resolve qualquer problema no InterBand, desde bolas na rua até placar quebrado…”

Thiago (estagiário): … o Sílvio é indispensável…”

 

Rafaella Finci – ex atleta e futura jornalista…

Neste mês entrevistei para o blog a Rafaella Finci Kreimer que defendeu as cores do nosso time de basquete em muitos InterBand…

 1. Rafaella, conte-nos um pouco sobre sua tragetória esportiva no Band.

Desde muito pequena sempre gostei de praticar esportes de todos os tipos e quando entrei no Band fiquei super admirada com os treinos que tinham lá. Comecei meio sem jeito de participar de algum time porque nunca tinha praticado nenhuma modalidade que tinha no colégio, só tinha jogado tenis quando era mais nova, e em nenhum ano meu de Educação Física recebi convite dos professores para jogar pelo Band. Depois de uma tentativa frustrada de entrar para o time de vôlei na sétima série, fui incentivada a conhecer o treino de basquete do colégio no ano seguinte, quando poucas meninas queriam praticar a modalidade. Foi meio que amor a primeira vista, não só pelo esporte, mas também pelo time todo. Foram três anos muito bons, mas tive que parar no terceiro colegial por causa da carga horária mais pesada e por morar relativamente longe do colégio.

 

2. De todos os momentos importantes que você viveu como atleta do Band, qual foi o mais marcante e por quê?
Acho que de todos os momentos que vivi jogando pelo Band, o que certamente não vai ser esquecido é a vitória do Interband em 2007, meu último jogo no campeonato pelo time. Uma série de motivos levaram essa situação a ser tão importante para mim, a começar pelo fato de que ganhar o campeonato do próprio Band era o desejo de todo mundo que defendia o nome do colégio e em todos os anos que joguei, até então, meu time não tinha atingido o pódio! Tinha muita vontade de receber uma medalha quadradinha dourada de Interband, ainda mais na minha despedida. Além disso, foi um ano um pouco complicado porque passamos por situações pessoais e nos treinos que fizeram com que todas se aproximassem mais ainda. Tive a sorte de ser capitã do time e o momento em que coloquei a medalha de ouro na minha treinadora foi super emocionante, ainda mais com aquela música que sempre tem nas premiações. Tenho até hoje a medalha pendurada na parede do meu quarto, dentro de um quadrinho.

3. O esporte nos ensina várias lições. Qual a lição mais importante que você aprendeu praticando esporte no Band?
A lição mais importante que aprendi foi saber pensar como um time e conseguir distanciar a vontade pessoal do que acontece em grupo. Apesar de sempre gostar muito das meninas que treinavam comigo, o começo foi um pouco complicado para realmente rolar um entrosamento entre todas e isso ficava mais evidente quando estávamos em um jogo para valer. Aos poucos, todo mundo foi se alinhando e o coletivo passou a falar mais alto. Foi então que passamos a nos destacar mais e conseguir colocações cada vez melhores nos campeonatos. Hoje em dia, isso se mostra positivo para mim quando percebo que me adapto aos diferentes grupos e pessoas com quem tenho que trabalhar, seja na faculdade ou no estágio.

4. Como você conciliava os treinos e jogos com os estudos?
Quando você faz uma coisa que gosta, acaba sendo fácil conciliar obrigação e lazer, sem contar que acho essencial ter alguma válvula de escape para toda a pressão da rotina bandeirantina. Por isso, acho que parar de treinar por causa de notas ruins pode ser prejudicial. Mas, a verdade é que nunca tive problemas em manter os dois caminhando juntos. Conforme as exigências foram aumentando, sempre fazia minhas obrigações escolares nas horas vagas, até mesmo antes dos treinos começarem. E se algum jogo acontecia aos finais de semana, com certeza me deixava com tempo livre suficiente para cuidar da parte chata do Band. Fazer esporte não só alivia a tensão, como aumenta a capacidade de concentração no momento em que ela é necessária, além de, na minha opinião, ajudar no senso de responsabilidade. Sou meio suspeita para dizer, mas apoio completamente conciliar esporte a estudos.

5. Onde você está estudando hoje? E como é a vida universitária?
Hoje em dia faço jornalismo na PUC-SP e gosto muito da liberdade que a vida universitária propicia. Levei um tempo para me acostumar com o esquema faculdade depois que sai do Band, desde o fato de que muitas pessoas não respeitavam o horário de início e final da aula até a bobagem de não mais precisar pedir para ir ao banheiro. É uma realidade completamente diferente da do colégio, mas extremamente interessante e divertida. Ser universitário não só te garante mais liberdade no que diz respeito ao que acontece dentro dela, mas também ao que está fora, a rotina muda e você passa a ter mais tempo livre para se dedicar aos amigos, festas, frequentar os típicos bares de faculdade. É claro que, sem dúvida alguma, a melhor parte da vida universitária, pelo menos no meu curso da PUC, é não ter mais que passar pelas semanas de provas do Band.

6. Você continua praticando esporte na Universidade? Conte-nos um pouco….
Logo que entrei na faculdade já fui logo me informar sobre os treinos na atlética e até cheguei a ir em um, mas a organização e seriedade do esporte na parte de comunicação da PUC não chega nem perto da que tinha no Band e isso me decepcionou bastante. Os treinos de basquete não tinham treinador, eram os veteranos que determinavam os exercícios a serem feitos, que mal passavam dos que eu fazia como aquecimento no colégio. Sem contar que cheguei lá e me vi sozinha no meio de um bando de meninos altos e nada delicados (para quem não me conhece, estou longe de ter a altura de qualquer jogadora de basquete – assim como 90% das meninas do meu time no Band). Conheço muitas faculdades em que as atléticas levam o esporte a sério, até mesmo em outros cursos da própria PUC, mas não é o caso da de comunicação, então acabei desistindo, mas sinto muita falta de praticar algum esporte.

7. Deixe um recado para os atletas do Band.
Galera, aproveitem muito o tempo que tiverem para treinar no Band, porque depois vão sentir falta dessa época! Curtam todos os momentos que vocês tiverem, joguem com toda a vontade, mesmo quando for num sábado de inverno às 8h da manhã, não desistam por perderem jogos ou se as notas caírem um pouco, a persistência ajuda nos dois casos. Quem tiver curiosidade de saber como é algum treino, apareça, não espere convite dos professores ou colegas para irem junto, você não é obrigado a continuar e pode acabar se surpreendendo e conhecendo gente bacana. Toda a experiência vivida em quadra vai ser algo que vocês vão levar para o resto da vida com um super carinho e com certeza será uma das melhores lembranças que vocês terão do colégio.

Voluntariado…

A palavra voluntário significa, segundo um desses dicionários online:

voluntário

adj.

1. Que se faz de boa vontade e sem constrangimento.
2. Amigo de fazer a sua vontade; caprichoso.
3. Que faz parte de uma corporação por mera vontade e sem interesse.
s. m.
4. Mancebo que assenta praça e que serve voluntariamente.
5. Estudante que se matricula numa aula oficial em condições diferentes das dos alunos ordinários.
Enfim, desde que a V.I.D.A.S. surgiu tenho ouvido essa palavra com certa frequencia o que me faz pensar acerca do seu real significado… O que é, de fato, ser voluntário em um projeto? O que me faz vir aos sábados, na quadra em que passo a semana inteira, ajudar nas atividades com as crianças da V.I.D.A.S.?
Mais do que as definições dos dicionários o que move um voluntário é a sensação de ser útil, é a certeza de que, por instantes, você fez a diferença na vida de alguém…
Enquanto voluntária da V.I.D.A.S. tenho insistido em proporcionar às crianças o maior número de sensações sinestésicas possível… Dominar os movimentos do corpo e ter prazer em apreciar tudo que ele nos permite fazer são os meus objetivos todo sábado… Quero que todas as crianças, cada qual com sua situação, aprecie viver no corpo que lhe foi dado como presente nesta VIDA.
Este post vai especialmente ao Guilherme que sempre, em qualquer situação desafiante, está sempre me presenteando com um lindo sorriso…

Voleibol Masculino – Títulos no Magno

Pelo quarto ano consecutivo, as equipes de Voleibol Masculino, categorias infantil e juvenil, sagraram-se campeãs da OliMagno!

Em partidas emocionantes, o Infantil venceu o Sagrado por 2 X 0, mesmo placar da vitória do Juvenil contra o Magno!

Parabéns aos atletas e força para as próximas competições!