Enfrentando melhor o frio.

Profa. Daniela entrevista Dra. Beatriz que é responsavel pelo departamento médico do Colégio Bandeirantes. Ela fala sobre mitos e verdades relacionadas às gripes de inverno.

dra. beatriz

Daniela: Pessoas que se exercitam regularmente, adoecem com menor freqüência?

Dra. Beatriz: Sim. O exercício deve ser feito com orientação adequada e de acordo com a idade, sexo e capacidade física de cada um. Exercício aumenta a capacidade pulmonar, melhora o desempenho do coração e dos vasos sanguíneos (este último efeito é menos importante nos jovens). O exercício quando feito ao ar livre torna o indivíduo menos sensível ás alterações atmosféricas.

Daniela: Pessoas que se exercitam regularmente, quando gripadas se recuperam mais rápido?

Dra. Beatriz: Sim, devido a maior capacidade respiratória (melhor ventilação, melhor eliminação de muco e bactérias).

Daniela: Quais são os cuidados que devemos ter com a chegada do inverno, para prevenir gripes e resfriados?
Dra. Beatriz: Evitar aglomerações, e manter os ambientes arejados. Não compartilhar objetos de uso pessoal e alimentos. Evitar contato próximo com pessoas com sintomas de gripe. Higienizar as mãos com freqüência após tossir ou espirrar.

Daniela: Agora no inverno, devemos tomar suplementos com vitamina C para evitar resfriados?

Dra. Beatriz: A Vitamina C tem efeito antioxidante e é importante para os ossos, dentes, ligamentos, vasos sanguíneos e ajuda na resposta as infecções e ao estresse, mas não existe nenhuma confirmação de que proteja contra a gripe ou o resfriado.
A Vitamina C é hidrossolúvel, o que significa que o organismo usa o que necessita e elimina o resto.

Daniela: Quem foi vacinado contra a gripe H1N1 deve ser vacinado contra a influenza também?

Dra. Beatriz: Sim. A vacina contra a gripe H1N1 não protege contra o resfriado comum.

Dra. Beatriz é médica e cuida com muito respeito e carinho de toda comunidade bandeirantina.

Novos uniformes da seleção brasileira

O Mundial de Basquete Masculino, na Turquia, está logo aí: começa no dia 28 de agosto.

A Nike mostrou, em torneio amistoso em Nova York, como será o uniforme a ser utilizado pela seleção brasileira no mundial.

Novos uniformes: França (Boris Diaw), China (Yi Jianlian), Estados Unidos (Kevin Durant), Brasil (Anderson Varejão), Porto Rico (Carlos Arroyo)

Novos uniformes: França (Boris Diaw), China (Yi Jianlian), Estados Unidos (Kevin Durant), Brasil (Anderson Varejão), Porto Rico (Carlos Arroyo)

Anderson Varejão

Anderson Varejão (clique na imagem para ampliá-la)

O uniforme principal será predominantemente verde e o reserva será branco, aposentando os antigos uniformes azuis e amarelos. E aí, gostaram do novo uniforme? Tirando o tênis amarelão, eu achei que ficou muito bom.

Atletas do Band brilham nos EUA

Brasileiros na Clínica de Vince Carter

Brasileiros na Clínica de Vince Carter

Com objetivo de aprimorar o basquete e fazer um intercâmbio cultural, seis atletas do Band passaram 15 dias nos EUA.

Uma semana em Miami – os meninos na University of Miami e as meninas na Barry University, treinando duas vezes ao dia.

Dois dias de descanso e mais uma semana de treinamento em Daytona Beach, na clínica do jogador da NBA Vince Carter.

premiados

Entre treinos e jogos, trouxeram na bagagem vários prêmios:

marcella

Marcella Almeida: Trabalho em Equipe

Rodrigo Miléo: Trabalho em Equipe

Rodrigo Miléo: Trabalho em Equipe

Vitor Cesar: Disciplina Tática

Vitor Cesar: Disciplina Tática

Julia Cólon: Reboteira

Julia Cólon: Reboteira

Thamires Guimarães: Trabalho Duro

Thamires Guimarães: Trabalho Duro

caroline

Caroline Horvath: Melhor Atleta Feminina

Parabéns aos nossos atletas!

Bernardinho transforma suor em ouro…

Bernardinho_2004Por: Claudia Cris

“Como centenas de milhares de adolescentes na década de 1980, cresci apaixonado pelo vôlei. Quando íamos para a rua montar a rede e “repetir” a atuação dos nossos ídolos, não me lembro de alguém que dissesse: “Eu sou o Bernardinho.” Quase todos queriam representar o papel dos titulares e não do levantador reserva. Bernardinho não tinha vaga na seleção da minha rua.
Poucos poderiam imaginar que ali, no banco de reservas da seleção, atento a tudo, estivesse sendo gerado o maior técnico da história do voleibol brasileiro e um dos maiores símbolos de liderança do Brasil. O obscuro jogador reserva da geração de 1980 tornou-se um craque do esporte no nosso país – o grande astro do jogo coletivo.
Bernardinho é o divisor de águas num país que precisa aprender a importância da cooperação, da solidariedade e do trabalho em equipe. Diga que seus jogadores são baixos e Bernardinho os fará saltar mais alto. Diga que são fracos no bloqueio e ele irá torná-los os melhores do mundo.
A essência dessa transformação é a crença numa equação simples que nada tem de matemática: TRABALHO + TALENTO = SUCESSO. Não por acaso o TRABALHO vem antes do TALENTO. Para Bernardinho, a ordem desses fatores altera o produto. Apoiado no seu próprio exemplo como jogador, ele aposta no esforço e na perseverança, na disciplina e na obstinação.
Quando vai a empresas dar suas palestras, a razão dos aplausos freqüentes é uma só: as lições do Bernardinho se aplicam a qualquer setor da atividade humana. Ele se tornou aos poucos o símbolo da liderança moderna. Democrático, franco, aberto, mas seguro no momento de decidir. “ (Trecho do livro Transformando Suor em Ouro)

Todos que gostam de esporte deveriam ler este livro… Há lições para toda a vida…

Claudia Cris é professora de Educação Física e técnica de voleibol do Band. Ela também “transforma suor em ouro”.